Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Tendências

Cronograma capilar: tire todas suas dúvidas!

Da nutrição à reconstrução, uma das técnicas mais utilizadas para repor os nutrientes do cabelo, chegou para ficar.

O que é cronograma capilar?

O cronograma capilar é uma agenda de tratamentos para os fios que pode ser feito em casa ou no salão, e geralmente dura 30 dias. É um processo que ajuda a repor os nutrientes necessários para ter um cabelo 100% saudável.

Realizar este método é essencial já que os procedimentos químicos e o uso excessivo do calor nos fios podem causar danos, deixando os cabelos ressecados, sem brilho e com frizz.

  • Vale lembrar que o cronograma é indicado para todos os tipos de cabelos.

Etapas do cronograma capilar

O cronograma capilar consiste em 3 etapas. Cada uma oferece propriedades que as madeixas precisam. Confira mais e torne-se um especialista na saúde dos fios!

Hidratação

A hidratação repõe a água e os nutrientes dos fios, deixando os cabelos macios e com brilho. Todos os tipos de cabelos precisam ser hidratados, até mesmo os virgens, uma vez que as agressões sofridas no dia a dia danificam os fios e abrem as escamas, causando pontas duplas entre outros danos.

  • É importante respeitar a quantidade de produto, para não causar oleosidade excessiva no couro cabeludo.

 

Nutrição

A nutrição repõe os lipídios necessários e devolve a oleosidade natural dos fios. É indicada para cabelos ressecados, sem movimento e opacos. Mais uma vez, é importante não exagerar na quantidade de produto, isso pode deixar os fios pesados.

 

Reconstrução

Cabelos quebradiços, porosos e submetidos a processos químicos (descoloração, colorações, entre outros) são os que mais necessitam de reconstrução. Ela repõe a queratina, devolvendo a rigidez e a força dos fios.

É importante realizar esse processo pelo menos uma vez ao mês, mas atenção: o excesso pode deixar o fio muito rígido e ocasionar a quebra. Sendo assim, deve ser feita no máximo a cada 15 dias.

O cronograma é um conjunto de técnicas para os cuidados capilares, mas quem vai realmente dizer o que o cabelo necessita são os próprios fios.

Quer saber como fazer uma análise capilar e montar o cronograma perfeito para suas clientes? Matricule-se no curso de Cabeleireiro Profissional e fique por dentro das principais técnicas e tratamentos capilares.

Tags

cabelos, hidratação, reconstrução capilar, nutrição, reconstrução, cuidados capilares, tratamentos, descoloração, queratina, força dos fios, nutrientes, cremes capilares.

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

Umectação: saiba tudo sobre o assunto.
  A umectação é uma técnica que com óleos vegetais que nutre, hidrata e fortalece os fios danificados. Se você ainda não conhece esse tratamento, é a hora de ficar por dentro dos benefícios e aprender tudo sobre o método que vêm fazendo muito sucesso entre às mulheres. Então vem com a gente, pois com essas dicas os fios de suas clientes serão outros!   O que é a umectação capilar? A umectação nada mais é do que um tratamento realizado à base de óleo vegetal, ou seja, tem como objetivo nutrir os fios e, acima de tudo, repor a oleosidade necessária para recuperar os cabelos danificados por diversos fatores, entre eles, as químicas. Para que serve a umectação? O tratamento serve como um complemento à oleosidade natural dos fios. Então, pode ser feito somente com óleos – sem acréscimo de cremes. Deste modo, o ressecamento é combatido de maneira eficaz e, assim, diminui até o aparecimento de frizz. Além disso, a umectação deixa o cabelo menos propenso à quebra. Benefícios de umectar os cabelos: Redução da quebra; Diminuição do frizz; Eliminação da formação de nós; Redução do atrito entre os fios; Combate ao ressecamento e a porosidade; Fortalecimento da fibra capilar; Toque mais suave; Cabelos mais brilhantes.   Os melhores óleos vegetais para a umectação: Para fazer uma boa umectação, é importante contar com óleos 100% vegetais. Se você ainda não sabe qual usar, veja alguns tipos de óleos e escolha o seu preferido. Óleo de rícino Um dos mais potentes e favoritos. Ele hidrata e recupera cabelos quebradiços, danificados e com queda. Sobretudo, é um excelente auxiliar no combate a caspa e a oleosidade. Contém vitamina E, ácidos graxos, ômega 6 e ômega 9. Óleo de coco Rico em vitamina K, vitamina E, ácidos graxos e ferro, a umectação com óleo de coco penetra profundamente na fibra capilar, desse modo protege os fios e retém sua umidade natural. Certamente, o resultado é um cabelo mais sedoso, brilhante e macio. Óleo de argan Contém vitaminas A e D, fundamentais na recuperação e nutrição dos fios. Sua ação antioxidante rejuvenesce e trata a fibra capilar, pois é um óleo extremamente nutritivo. Óleo de girassol Para quem deseja diminuir o frizz, combater as pontas duplas, dar brilho e maciez para o cabelo, esse óleo é a escolha certa. Além disso, ainda ajuda a proteger os fios de ações externas, como as causadas pelo cloro e sol, por exemplo. Óleo de oliva A umectação com azeite contém alta concentração de nutrientes e possui antioxidantes, portanto, combate o envelhecimento precoce das células capilares.   Fique por dentro de todas as tendências em hidratação se matriculando em nosso curso de Cabeleireiro Profissional.
> Leia mais
Normal, seca, mista e oleosa: saiba como identificar o tipo de pele de suas clientes.
Algumas pessoas ainda têm dificuldade em saber qual é o seu tipo de pele. Ter essa informação é muito importante, pois a partir dela sabemos quais os produtos mais indicados, que se adaptam às necessidades de cada cliente e não causam nenhuma reação contrária. Conheça quais são os tipos de cada pele, suas características e as texturas mais indicadas para cada um deles. A importância de utilizar os produtos certos para cada tipo de pele. Não é à toa que temos vários tipos de texturas em produtos, cada uma é feita para se adaptar da melhor forma aos padrões de pele existentes. Por isso é tão importante identificar as características deste órgão. A identificação é feita baseada no equilíbrio entre a água e as glândulas sebáceas, buscando sempre a igualdade entre as duas partes. Algumas pessoas usam produtos indevidos, que podem ocasionar problemas e até piorar a situação da cútis, ressaltando características negativas das mesmas. Vamos te ajudar a desvendar os mistérios dos 4 principais tipos de pele: normal, oleosa, seca e mista. Informaremos as variadas características de cada uma, além de dar dicas do que não fazer e a textura ideal dos produtos para atendê-las.    1. Pele normal Essa pele possui textura saudável, produz gordura na quantidade certa e não apresenta excesso de brilho ou de ressecamento. Com poros pequenos e pouco evidentes, sua aparência é aveludada e com viço, tendo poucas imperfeições. É essencial manter a pele dessa forma através dos processos de hidratação. Um dos cuidados mais importantes é na região dos olhos, pois o aparecimento de rugas é mais intenso. Para esse tipo de pele deve-se ter a rotina igual a de todos os outros: higienizar, tonificar, hidratar e proteger, mantendo-a saudável e longe de manchas.      2. Pele seca A pele seca possui deficiência nos dois quesitos: água e gordura. Com aspecto áspero, opaco e sem brilho, também é considerada desidratada com tendência a craquelar com facilidade. Com a falta de oleosidade e a perda excessiva de água, a capacidade de proteção é reduzida, o que pode ocasionar coceira e vermelhidão. Fatores hormonais, idade, condições climáticas, banhos muito quentes e demorados podem acentuar essa situação. Um dos principais passos para cuidar da pele seca é a hidratação. Ela aumenta o teor de água da cútis, protege e incentiva a renovação celular. Além disso, pessoas com esse tipo de pele tem maior tendência ao aparecimento de rugas, então é interessante aliar o uso dos produtos de tratamento facial com um anti-idade. Em busca das melhores condições para a pele seca, os cremes e séruns são ideais. Eles possuem alto teor de hidratação e se adaptam melhor ao ressecamento, pois repõem a água da cútis desidratada.      3. Pele mista A pele mista apresenta aspecto oleoso e poros dilatados na região da testa, nariz e queixo (zona T), tem tendência a acne, bochechas e extremidades do rosto com textura seca e facilidade para descamação e irritação. Para equilibrar, é preciso hidratar e controlar a oleosidade, além de evitar adstringência em excesso, soluções alcoólicas e texturas muito cremosas. As texturas de produtos mais indicadas para esse tipo de cútis é o sérum, gel e o fluido. É importante sempre optar por produtos oil-free, pois têm textura leve e não deixam a pele pegajosa.      4. Pele oleosa A pele oleosa apresenta excesso na produção de gordura, o que deixa a cútis mais brilhosa e pegajosa, além de mais propensa ao aparecimento da acne. Sua superfície é mais espessa com poros dilatados, principalmente nas regiões da zona T. O excesso de gordura é afetado pela dieta, estresse e hormônios, além da tendência genética. Por ser um dos tipos de cútis mais comuns do Brasil, a variedade de dermocosméticos é bem grande. Para a pele oleosa, os melhores produtos são os livres de óleo e com textura fluida, podendo também ser gel-creme, loção e sérum. É importante sempre aplicar filtro solar com essas mesmas características, controle de brilho e efeito mate.   Agora que você já sabe tudo sobre peles, chegou a hora de garantir a sua especialização em nosso curso de maquiagem e oferecer a melhor experiência às suas clientes! Faça sua matrícula.      
> Leia mais
Copyright © 2021 · Todos Direitos Reservados