Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Cabelo

Fotos: Shutterstock

COQUE ALTO: COMO FAZER O PENTEADO BÁSICO E PARA FESTA

Depois de ganhar os holofotes no red carpet deste ano, o coque alto sobe à cabeça das modelos do desfile de inverno de Chanel. Aprenda a produzir, passo a passo, o penteado para o dia a dia e para ocasiões especiais!

O coque alto, ou top knot, como é chamado lá fora, foi o escolhido pela atriz Zendaya para glamourizar no Oscar 2019. Ela optou por uma versão bem minimalista, ou seja, com o cabelo bem puxado para cima e num torcido simples. Mas não foi só ela que exibiu o penteado na festa: a atriz Laura Harrier também surgiu com o coque no topo, porém num look mais romântico, com divisão central e fios soltos nas laterais do rosto; e Lady Gaga apostou no top knot vintage, com referência no coque-banana.

Mais recentemente, a marca Chanel fez do coque alto o penteado único das modelos que desfilaram na semana de moda-inverno de Paris. Totalmente inspirados nos anos 60, as torções não tinham acabamento impecável para parecer bem fashionistas.

Seja qual for a aparência dos coques — bem enroladinhos ou “desabados” —, uma coisa é igual para todos: cabelo puxado para cima, bem no centro do topo da cabeça.

A vantagem do penteado, é que ele pode ser feito em qualquer tipo e textura de cabelo, não tem restrição de idade e vai do básico ou despojado ao sofisticado num piscar de olhos. No dia a dia, é uma ótima opção para variar com o rabo de cavalo.

Coque alto básico

O look do dia pode ser despojado e ter até um aspecto bagunçadinho.

1.    Com uma escova, puxe todo o cabelo para cima e prenda a mecha com um elástico fino (pode ser do tipo silicone).

2.    Se o seu cabelo é crespo ou cacheado, simplesmente enrole a mecha do rabo em volta do elástico e prenda com grampos escondidos. Não se preocupe em deixar um acabamento perfeito do torcido.

3.    Se o seu cabelo é liso ou fino, dê uma encorpada nos fios do rabo, desfiando-os com pente-fino ou aplicando um spray de xampu a seco ou um beach wave. Em seguida, passe a escova superficialmente no cabelo e enrole-o fazendo o coque.

4.    Jogue um pouco de spray fixador na frente e nas laterais do penteado e passe as costas do pente-fino sobre os fios para eliminar frizz e dar um acabamento melhor.

5.    O seu coque básico pode ser bem apertadinho ou com a raiz mais frouxa, você decide. Também pode ser enrolado com todos os fios no lugar, parecer “podrinho” ou ser inspirado no coque nó.

Inspire-se nestas propostas...

coque altocoque alto gwyneth paltrowcoque alto

coque altocoque alto desfile Chanel inverno 2019

 

 

Coque alto para festa

Para uma ocasião que exige glamour, como casamento e formatura, prefira um visual bem polido e charmoso.

1.    Antes de prender o cabelo no alto, aplique um pouco de mousse para ajudar a dar volume e textura aos fios e controlar o frizz.

2.    Penteie o cabelo para cima, com uma escova, puxando bem os fios. Prenda a mecha com elástico fino de silicone. Se você quiser uma aparência mais suave e delicada, antes de fazer o rabo alto, separa duas mechas laterais para deixá-las soltas contornando o rosto.

3.    Na hora de prender o rabo num coque, as opções para festa são várias. Você pode enrolar o cabelo bem rente ao elástico, sem deixar nada frouxo, formando um rolinho pontudo e alto. Pode fazer um rolo mais achatado, tipo donut. Há ainda a opção de dividir a mecha do rabo e criar rolos largos. Ou enrolar a ponta do rabo para dentro, apoiar o coque sobre o elástico e embutir tudo com grampos.

4.    Finalize borrifando spray fixador em todo o penteado.

Inspire-se nestas propostas...

coque alto jennifer lopezcoque altocoque alto

coque alto beyoncécoque alto kendal jennercoque alto

coque altocoque alto  

coque alto lady gagacoque alto

 

Tags

coque, penteado, tendência, instituto embelleze

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

É hora de mudar: confira 4 dicas para começar a transição capilar!
A liberdade está em alta! Assumir os fios como eles são, criando a nossa própria identidade nunca foi tão descolado. A prova disso é a transição capilar: um processo longo e trabalhoso, que faz o desapego dos processos químicos, mas que deixa o cabelo muito mais saudável e natural. Para isso, separamos três dicas para quem deseja iniciar essa mudança. Monte um cronograma capilar Nesta fase, os fios precisam estar nutridos para recuperarem a formação inicial. Por isso, monte um cronograma que contemple hidratação + nutrição + reparação para que eles cresçam com muito mais força, brilho e volume. Corte com frequência Alguns tipos de química são definitivos e só saem com o corte dos fios. Mas fique tranquila! O processo de transição capilar é demorado mesmo. Entenda o seu processo e vá aos poucos. Corte o cabelo de 15 em 15 dias até que todos os produtos estejam removidos. Você vai sentir muita diferença! Não fique mexendo no cabelo o tempo todo Quando estamos com a química no cabelo, o único risco ao ficar passando a mão é deixar os fios oleosos. Na transição capilar, mexer o tempo todo pode fazer com que os cachos não durem. Portanto, mãozinhas longe! Somente depois que ele estiver seco, você pode dar uma sacudida e desgrudar os cachos da raiz. Não durma com o cabelo preso Se estiver muito quente e for impossível dormir com os fios soltos, opte por um coque – ele preserva a ondulação natural dos fios. Mas nada de elásticos duros ou grudentos, hein? Eles costumam quebrar e sufocar o cabelo. Nos dias mais frios, escolha uma touquinha de dormir. O seu cabelo irá agradecer tanto conforto! Gostou das dicas? Agora é só seguir e encontrar a sua melhor versão. Para ficar ainda melhor, conheça o curso de Especialista em Cachos e fique por dentro do universo dos cachos.
> Leia mais
Depilação na virilha e axilas: sem manchas ou pelos encravados
Axilas e virilha têm várias coisas em comum. A primeira delas é a sensibilidade, por causa do roçar de pele contra pele e ainda numa região abafada e privada de luz. Outra semelhança está na umidade local, onde as bactérias crescem com facilidade. Há também a tendência de escurecimento dessas superfícies, especialmente após a depilação. E isso pode afetar qualquer mulher. Entre os motivos para o surgimento de manchas está o atrito. O escurecimento se desenvolve como uma resposta inflamatória, que estimula a alta produção de melanina (o pigmento que dá cor à pele), formando assim as manchas. O problema tende a surgir especialmente em dermes morenas ou negras, ou que já sofreram alguma alergia na região. Mas a depilação na virilha e axilas também pode ser um fator determinante para o escurecimento, sabia? Ainda mais quando não é realizada corretamente: a manipulação errada da cera, por exemplo, pode inflamar os folículos pilosos, que acabam causando uma produção maior de melanina na área. A temperatura muito quente da cera também pode queimar a pele, estimulando a melanina – o efeito é chamado de hipercromia pós-inflamatória. Depilação que não mancha Os pelos das axilas e da virilha são fortes e, para retirá-los por completo, uma boa opção é a depilação com cera, que os arranca pela raiz, retardando o seu crescimento (pode levar até 20 dias). A lâmina apenas corta o fio superficialmente e logo ele cresce, às vezes, de um dia para o outro. Além disso, pode machucar e inflamar a pele, favorecendo o aparecimento de mancha escura. Menos agressivo, o creme depilatório também é uma alternativa, porém, tira o pelo na superfície. Em termos de eficiência, a cera propicia uma pele lisinha por mais tempo. Mas alguns cuidados devem ser tomados com a depilação na virilha e axilas para evitar um resultado ruim: Em primeiro lugar, antes de usar a cera quente, experimente-a no pulso, para ver se a temperatura não está alta demais. Jamais sopre o produto com a boca, pois há a contaminação por bactérias. Deixe amornar naturalmente. A camada de cera utilizada na axila ou na virilha não pode ser muito fina, caso contrário, ela se quebra e dificulta a sua retirada. Aplique a cera, no máximo, duas vezes no mesmo local. No caso da axila, é preciso aplicar e retirar a cera por partes, dividindo a região ao meio. É que na metade inferior os pelos nascem para baixo e na metade superior, crescem para cima. Os fios precisam ser arrancados no sentido contrário do crescimento. Depois de depilar, aplique um óleo removedor de cera com um algodão e, se necessário, faça um acabamento com a pinça. Finalize com uma limpeza com uma loção antisséptica para afastar bactérias. Acalmar a pele após a depilação com um gel cicatrizante ajuda a evitar processos inflamatórios e o escurecimento da pele. Depois de depilar (com qualquer método) não exponha a pele ao sol. O ideal é aguardar, pelo menos, um dia. Em contato com a radiação solar, proteja-se com um filtro FPS 30. Nas axilas, evite o uso de desodorante nas primeiras 24 horas pós-depilação. É possível que ocorram irritações e ardência e manchas. Para combater o fechamento dos poros na virilha, não use roupas apertadas. O atrito com a pele ativa o mecanismo de defesa natural da derme, fazendo-a engrossar e escurecer. Além disso, o uso constante de peças justas, principalmente no verão, agrava esse problema e ainda facilita a proliferação de fungos e bactérias, que causam coceira e descamação. Invista em roupas leves e soltinhas e calcinhas de algodão.   Para o pelo não encravar Sim, a depilação na virilha e axilas com cera pode encravar os pelos. É que o método não deixa de ser um processo traumático para a pele e o folículo piloso sofre vários processos inflamatórios. Muitas vezes, durante o processo de crescimento, alguns fios não conseguem romper a estreita passagem do poro e acabam nascendo dentro da pele (encravando). O organismo entende que o pelo é um corpo estranho e então começa a englobá-lo para isolá-lo. Resultado: a região inflama, fica dolorida e vermelha. Essa inflamação só melhora com a retirada do pelo, o que deve ser feito sob a supervisão de um profissional. Para evitar o pelo encravado: Depois da depilação, não use talco sob o risco de obstruir os poros ou coloque roupas que abafem a região. Também não passe óleos ou hidratantes nas primeiras 24 horas. A cada dez dias, faça uma esfoliação na pele com cosmético específico ou com a mistura de açúcar e mel para afinar a superfície e facilitar a saída do pelo. Um toque sobre clareamento As manchas escuras podem ser eliminadas com tratamentos clareadores recomendados por dermatologistas. Soluções ácidas são as primeiras opções contra o problema, mas dependendo do grau de hiperpigmentação e do tempo da mancha outros métodos podem ser indicados, como o uso de laser. Tanto o ácido quanto o laser têm o objetivo de remover a camada superficial da pele e estimular a sua renovação, dando lugar a uma cútis mais clara, viçosa e macia. A diferença é que o laser consegue atingir camadas mais profundas da epiderme. Que tal aprimorar os seus conhecimentos sobre depilação? No curso do Instituto Embelleze você aprende a depilar com segurança e atendendo às exigências da fiscalização sanitária. O conhecimento aprimorado passa por assuntos específicos, como: fisioanatomia da pele e dos pelos, equipamentos e produtos, ambiente de trabalho, produtos cosméticos, procedimentos de epilação, ética profissional e, ainda, como conquistar os primeiros clientes. O profissional depilador formado pelo Instituto Embelleze é capaz de aplicar diferentes técnicas de depilação e torna-se apto a oferecer ao cliente um serviço de qualidade, seguro e ético.
> Leia mais
Copyright © 2022 · Todos Direitos Reservados