Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Cabelo

Fotos: Shutterstock

CICATRIZAÇÃO CAPILAR: ANTÍDOTO CONTRA CABELOS DANIFICADOS

O CABELO ESTÁ DETONADO? CALMA, NÃO PRECISA CORTAR! BASTA FAZER UMA CICATRIZAÇÃO CAPILAR

Na prática, cabelo danificado significa: quebradiço, poroso, ressecado, com frizz, pontas duplas, aspecto palha e sem brilho. Pura falta de saúde e vitalidade dos fios. De acordo com Elaine Cristina Carneiro, instrutora do curso de cabeleireiro do Instituto Embelleze Cidade Dutra, de São Paulo (SP), são vários os fatores que deixam o cabelo danificado e com a fibra rompida. “Geralmente, os hábitos do nosso dia a dia acabam detonando os fios, como usar secador e prancha em alta temperatura sem proteção térmica, fazer químicas (descoloração, progressiva, alisamento, permanente, coloração) sem fortalecer as fibras capilares antes, tomar sol e banho de piscina com frequência... Tudo isso leva à perda de hidratação, queratina (proteínas), vitaminas e aminoácidos, tornando o cabelo poroso, elástico ou quebradiço”, esclarece a profissional.

Embora a solução mais rápida para eliminar o estrago seja cortar, você não precisa ser radical. Basta fazer uma cicatrização capilar, o tratamento do momento em muitos salões de beleza.

O que é a cicatrização capilar

Uma vez rompida a fibra do cabelo, que leva à fragilidade extrema, é preciso um tratamento efetivo para que os danos não se tornem ainda piores. E, claro, reverter o quadro e reconquistar fios alinhados, mais macios, hidratados, saudáveis e com a cutícula fechada. Nesse caso, o ideal é fazer a cicatrização dessa fibra destruída. Antes, porém, precisamos entender o mecanismo de resistência dos fios. O cabelo é composto de 80 a 90% de queratina (proteína) e esta queratina se desgasta naturalmente com a ação do tempo (vento, sol), do sal, do cloro ou no simples ato de pentear as mechas, no atrito com o travesseiro e também com o uso de produtos químicos, deixando assim os cabelos danificados quebradiços, porosos e opacos. “A cicatrização nada mais é que a reposição dessa queratina com uma combinação de hidratação e nutrição power, que recupera e mantém o cabelo saudável”, explica Elaine Cristina.

cicatrização capilar

Como é feita a cicatrização capilar

O tratamento é relativamente simples. O segredo está na combinação dos ativos utilizados nos produtos aplicados no salão de cabeleireiro pelo profissional. Primeiro, é aplicado um xampu à base de ceramidas, D-pantenol e aloe vera. Em seguida, usa-se máscaras que contêm lipídios e proteínas, como, complexo de aminoácidos, proteínas do trigo, ácido  hilauriônico e arginina. Por fim, o cabeleireiro aplica reconstrutores, finalizadores e protetores térmicos. O período de manutenção vai depender da condição dos fios, do nível de dano. Mas geralmente, a manutenção pode ser feita a cada 30 ou 60 dias. Enquanto isso não acontece, é importante fazer uma hidratação e nutrição semanal em casa mesmo, com xampu e condicionador adequados (com os ativos utilizados no salão), para manter os benefícios da cicatrização capilar.

Interessada em saber mais sobre cuidados com os cabelos e todos os tratamentos profissionais para a beleza dos fios? Inscreva-se no curso de cabeleireiro do Instituto Embelleze. O curso capacita o estudante para a realização das mais variadas técnicas de atendimento em cortes, coloração, tratamentos capilares, modelagem, e transformação capilar: alisamento, relaxamento e encacheamento. Além disso, aperfeiçoa os conceitos de excelência no atendimento ao cliente, bem como instrui sobre fatores comportamentais que assumem uma condição de extrema relevância neste nicho de mercado. O futuro profissional ainda aprende conceitos sobre tricologia, biossegurança, visagismo.

Não é o máximo? Espalhe a notícia para os amigos e deixe aqui os seus comentários!

Tags

cicatrização capilar, hidratação, nutrição, reconstrução capilar, selagem térmica, Instituto Embelleze, curso de cabeleireiro

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

CORTES DE VERÃO 2019: PARA CURTOS, MÉDIOS E LONGOS
Cortar o cabelo não é uma decisão simples para quem tem apego ao comprimento ou ainda não conhece um bom profissional. Afinal, não é só criar coragem para ir em frente, é preciso também levar em conta se o corte escolhido combina com o seu dia a dia, com o formato do rosto e até com sua personalidade para não se decepcionar depois. Mas a verdade é que repaginar os fios é sempre bom para variar e dar um up na autoestima. As celebridades vivem fazendo isso! Se você é adepta do “cabelo cresce” ou é cabeleireiro e quer levar novidade para o seu salão, confira as tendências em corte (para curtos, médios e longos) reveladas por Ivanete Coelho, instrutora do curso de cabeleireiro do Instituto Embelleze de Petrolina, Pernambuco.   CURTOS Short bob  Esse é o modelo curto do long bob e fica bem em todo tipo de cabelo – do liso ao crespo. O comprimento é na altura do queixo ou um pouquinho mais abaixo, com pontas arredondadas contornando as maçãs do rosto. O volume é concentrado junto à raiz e a nuca é mais batida. No cabelo crespo ou cacheado deve-se fazer um leve desfiado para “encaixar” os caracóis no corte. “A combinação imbatível para esse estilo é a franja alongada lateralmente com ponta repicada ou desfiada suavemente. Na hora de pentear, aposte no efeito messy (bagunçado), super em alta, feito com pomada finalizadora. Babyliss de aro grosso também fica lindo. Pixie cut  É a versão atualizada do tradicional corte “Joãozinho”, que está na moda já há algumas temporadas. Em 2019 o pixie cut vem mais desconectado. Para ter um bom caimento, ele precisa ser bem desfiado. O cabelo naturalmente volumoso deve ser mais desfiado que o cabelo fino, ok? Para manter o corte sempre bonito, é preciso retocá-lo com frequência e investir em produtos de finalização para marcar as mechas e adicionar textura.   MÉDIOS Repicado        A ordem é imprimir mais identidade aos fios médios, portanto, além de repicá-los em camadas (mais atrás do que na frente e a partir das orelhas) e definir o comprimento no ombro, faça uma franja. Ela pode ser longa ou curta, mas sempre desfiada. A franja longa é alinhada na altura dos olhos ou das maçãs do rosto. Usada para o lado, ela se mistura com o restante dos fios, dando movimento ao corte. Outra franja alongada é a tipo cortina, desfiada nas pontas e usada dividida ao meio. A franja curta da moda é a baby bang — de comprimento no meio da testa ou logo acima das sobrancelhas —, um estilo bem ousado. Como pentear o repicado médio? Simples, só com secador para definir o repicado. Sleek bob Esse corte de comprimento médio não tem camadas repicadas. É reto e proporciona um look uniforme. Para ganhar personalidade pode ser assimétrico, com a parte de trás um pouco mais curta e a frente alongada. A ideia é exibir um visual liso, então adote um produto leave-in que elimina o frizz antes de fazer escova.    LONGOS Camadas O longo moderno é cortado em camadas, tudo para dar leveza, movimento e volume natural à cabeleira. E o comprimento máximo bonito é na linha do busto. As camadas repicadas dão aos fios uma desconstrução toda especial e podem vir desde a altura dos olhos.   O penteado que realça as camadas é feito com babyliss ou escova modelada. Blunt cut Para as mulheres que amam madeixas bem longas, o corte reto voltou a fazer sucesso e é tendência. Chamado blunt cut, possui base e fios retos, sem nenhuma mecha ou ponta repicada. Como a aparência tem de ser reta, é importante estar com a hidratação, nutrição e reconstrução dos fios em dia. A finalização do penteado pode ser feita com chapinha, deixando as pontas retas, ou babyliss e spray de ondas para o cabelo ficar com aspecto messy (bagunçado).   No curso de cabeleireiro profissional do Instituto Embelleze você aprende muito mais do que cortar cabelo. Domina também técnicas de coloração, modelagem, transformação capilar, alisamento, relaxamento, encacheamento e muito mais. Se a sua ideia é abrir o próprio salão de beleza, fique tranquilo, o curso também instrui sobre o mercado, atendimento ao cliente e biossegurança.
> Leia mais
Vantagens da cutilagem russa para clientes e manicures
As mulheres russas são conhecidas no mundo inteiro por dois motivos: a beleza física e as unhas saudáveis. Tanto que grandes marcas de cosméticos de tratamento de unhas e cutículas são, originalmente, vindos da Rússia. E sabe qual é um dos segredos das russas nesse quesito? O modo de retirar a cutícula! Em vez de usar alicate, como nós, elas usam tesourinha. Neste post, vamos falar sobre essa técnica que, aliás, está bombando nos últimos meses por aqui e ainda pouca gente conhece. É a cutilagem russa ou manicure russa. No procedimento, o bom e velho alicate de cutícula é substituído por uma tesourinha própria para a região e uma lixa elétrica cilíndrica, que lembra uma broca. “Em vez de simplesmente empurrar ou mesmo cortar a cutícula com o alicate — o que normalmente favorece exageros por ser uma ferramenta muito cortante, estimula o crescimento contínuo da película e pode levar à retirada acidental de ‘bifes’ —, na cutilagem russa o profissional elimina delicadamente e com cautela o contorno da unha com a tesoura e a lixa”, explica Vanessa Castro, instrutora do curso de manicure do Instituto Embelleze unidade Santo Amaro, São Paulo (SP). Some a esses benefícios o fato de não ter mais aquelas “peles levantadinhas” crescendo em volta da unha, já que a cutícula não será removida, apenas aparada. A cliente fica feliz...   A manicure russa pode ser feita nas unhas das mãos e dos pés, e praticamente não há contraindicação. “Mas pode-se dizer que nos casos de cutículas muito finas e de diabéticos, a técnica é altamente indicada, por permitir ao profissional mais controle e delicadeza”, destaca Vanessa Castro. A técnica parece mesmo ser tudo de bom: além de reduzir a praticamente zero o risco de cortes, a manutenção é quinzenal, diferentemente do procedimento feito com alicate, que geralmente requer idas semanais ao salão. Isso, porque, como só é retirado o excesso de pele com a tesourinha, sem arrancar a cutícula, não há um crescimento acelerado e regular, dessa pele. Resultado: com o tempo, a cutícula que vai cobrindo a unha deixa de ser um fator antiestético. No final das contas, o procedimento quinzenal não chega a representar uma contenção de custo, já que o valor da cutilagem russa é dobro da manicure tradicional — o que fica elas por elas. Por outro lado, tem o ganho de tempo, já que as visitas ao salão são quinzenais. Se durante a quinzena a cliente reclamar do desbotamento do esmalte (já que vai levar mais tempo para ela voltar para o salão), sugira que ela aplique um top coat antes de terminar a quinzena, para dar um up na cor e no brilho das unhas. Ah, e repita para ela a velha e boa dica (superútil) de usar luvas durante os afazeres domésticos para preservar ainda mais o esmalte. Uma dica: ressalte os benefícios da cutilagem russa listados aí acima para as suas clientes apostarem na novidade! Ok, a gente sabe que não é nada fácil mudar a tradição do alicate, tão forte para as brasileiras. Mas o protocolo russo tem todo potencial para fazer a cabeça das mulheres e cair no encanto. Num primeiro momento, é comum que algumas clientes nem queiram conhecer a cutilagem russa por “ter ouvido falar” que se trata de um procedimento caro. Então, é aqui que entra a habilidade do profissional de explicar tudo direitinho, com detalhes.   O profissional em manicure sai ganhando... Investir na cutilagem russa é um diferencial para a carreira de manicure. Isso mesmo. É preciso acompanhar as novidades e tendências para ser visto de forma diferente e até se tornar uma referência no domínio de técnicas moderninhas entre as clientes. A cutilagem russa é uma excelente oportunidade para dar um up no seu menu de serviços. Apesar de ser um procedimento que já existe, a febre é agora! Conclusão: vai ganhar quem oferecer o serviço do momento. Sem contar que o espaço de beleza que sai na frente com novidades desse tipo ocupa outro patamar no mercado, muito acima de quem continua oferecendo o básico. Há mais chances de fidelizar clientes com serviços exclusivos ou diferenciados. E, claro, o profissional também se torna especial, tendo uma formação acima da média, especialmente nesse caso que envolve saúde por se tratar de cuidado com as cutículas. O profissional inspira confiança, credibilidade. Cutilagem russa passo a passo   Entenda, a seguir, como é feita cada etapa da técnica que é sucesso e, depois, é só se lançar para experimentar! 1 O esmalte (ou resíduos) é retirado com removedor sem acetona. Depois, as unhas são molhadas suavemente com água. Após enxugadas, recebem um hidratante. Quanto mais grossa e grande a cutícula, mais tempo é necessário para o produto agir e amolecer a estrutura. Já as cutículas mais finas nem precisam tanto desse recurso do creme, é opcional. 2 Em vez de utilizar a espátula para empurrar a cutícula, na cutilagem é usada a broca, que nada mais é do que uma lixa cilíndrica elétrica. Esse é o grande lance da manicure russa. A função dessa ferramenta é levantar a película, facilitando a etapa seguinte (corte com a tesourinha), e polir a unha, removendo as peles que ficam aderidas à superfície. 3 Com a cutícula suspensa e descolada fica muito mais fácil removê-la com a tesourinha, que tem uma curvatura na ponta que acompanha a anatomia dessa estrutura de pele. Lembrando que, no caso de cutículas muito finas ou discretas, nem é necessário remoção com a tesourinha, basta o polimento com a broca. 4 A partir daqui a esmaltação é feita normalmente, conforme o método de cada profissional.     Gostou? Deixe o seu comentário e compartilhe o post com a sua rede de amigos!  
> Leia mais
Copyright © 2020 · Todos Direitos Reservados