Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Experts

Shutterstock

Como manter um atendimento incrível?

Conheça boas práticas que não podem ficar de fora da sua estratégia de atendimento

Em tempos de crise e grande concorrência, qualquer estratégia que atribua valor ao seu negócio, serviço ou produto é bem-vinda. O que pouca gente sabe é que o atendimento ao cliente também é uma estratégia de grande importância para o crescimento e fortalecimento da marca – que pode ser desde uma Designer de Sobrancelhas autônoma até um grande salão de beleza. O bom atendimento é capaz de transformar a imagem do negócio, atrair e ainda fidelizar clientes.

Pensando nisso, trouxemos algumas dicas para te ajudar a colocar em prática um atendimento incrível!

 

Primeiro, entenda as dores de seus clientes

Para começar, é importante entender as necessidades dos seus clientes, os problemas pelos quais eles passam no dia a dia e quais são as barreiras que encontram como dificuldades para consumir o serviço que você oferece.

Se, por exemplo, um cliente não tem tempo. Como você faria para ajudá-lo com soluções? Você poderia abrir espaço na sua agenda com horários mais flexíveis ou até atendê-lo a domicílio. O que devemos perceber nesse caso é que um bom atendimento abre espaço para diálogo, tornando possível colocar-se no lugar do outro e criar soluções que funcionem para ambos os lados.

Dessa maneira, seu cliente se sente ouvido, representado e especial, o que mantem sua fidelidade – ou seja, da próxima vez que precisar, é o seu serviço que ele irá escolher.

 

Se faça presente

 

Esteja disponível para seus clientes. Se fazer presente nos canais em que seu público se encontra é a maneira mais eficaz de criar um diálogo. Além disso, tenha rapidez nas respostas - a demora para responder faz com que se sintam abandonados ou não tratados como prioridade.

É importante, além de respostas ágeis, utilizar vários canais de atendimento – contanto que você dê conta de gerenciá-los – como as redes sociais, telefone, mensagem e até e-mail. Dessa maneira, é possível separar os assuntos como, por exemplo, responder as dúvidas nas redes sociais e realizar agendamentos pelo WhatsApp. Isso faz com que os assuntos prioritários possam ser respondidos antes e com que você tenha uma maior facilidade para lidar com o atendimento ao cliente.

Lembre-se de manter um controle e criar horários específicos para o atendimento, assim você incorpora essa prática no seu dia a dia como uma parte do trabalho.

 

Analise os clientes e seus concorrentes

Receber a avaliação dos seus clientes sob os serviços e atendimento prestados é o que te dá direção para fazer possíveis mudanças e adaptações. É sempre importante ter uma devolutiva sobre o seu negócio, incentive o cliente a falar o que achou, o que foi bom e o que mudaria.

Perspectivas diferentes da sua te ajudarão a ver o negócio de outra forma e a chegar em mais soluções, alcançando resultados melhores. 

Analise também como os concorrentes realizam o atendimento deles. Entenda quais práticas o seu setor tem adotado para que você possa fazer e também o que não se encaixa para você.

Conhecer a sua área, seus clientes e concorrentes faz com que o atendimento se torne cada vez mais personalizado e eficaz.

 

Entenda os impactos negativos de não apostar em um bom atendimento

A falta de um atendimento de qualidade não só deixa de atribuir valor ao negócio como também faz com que os clientes não consigam se identificar e sentirem-se ouvidos.

Os danos para sua imagem ou imagem do seu negócio podem ser grandes caso os clientes não sejam tratados com empatia e respeito. É preciso colocar-se no lugar do outro, entendendo as diferentes perspectivas.

O bom atendimento é capaz de transformar simples prestações de serviços em relações duradouras para o seu negócio. 

Tags

atendimento ao cliente, redes sociais, concorrentes, atrair mais clientes

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

Embelleze: 50 anos acreditando no poder de transformação da beleza feminina
Fundada no dia 8 de março de 1969, a Embelleze é fruto do conhecimento de que somente será possível construir um mundo melhor através do olhar feminino. E há 50 anos ela ajuda mulheres a revelar sua beleza e transformar vidas. O idealizador, Itamar Serpa Fernandes, brasileiro, deu seus primeiros passos rumo ao universo da beauté depois de trabalhar numa empresa como químico responsável. Com vontade de fazer a diferença, ele se dedica a estudos e pesquisas e desenvolve uma fórmula revolucionária para alisar o cabelo — o Henê —, um sucesso que deu origem à marca Embelleze e perdura até hoje. Acreditando que por meio do aprendizado e do conhecimento é possível alcançar nossos sonhos, Itamar Serpa também criou o Instituto Embelleze, em 1998, maior escola de beleza da América Latina com mais de 350 franquias por todo o Brasil e mais de 2 milhões de alunos capacitados em diversos ramos da estética: cabelo, maquiagem, design de sobrancelha, depilação, barbearia, manicure e pedicure... Confira na linha do tempo a seguir o que a trajetória brilhante da Embelleze e seus produtos lançados têm a ver com o comportamento feminino das últimas cinco décadas! 1969 – Cabelo liso é desejo The Supremes, com Diana Ross ao centro A saga pelo cabelo liso começa bem antes dos anos 60, mais precisamente em 1930. Porém, as mulheres da época não contavam com produtos químicos para alisar — elas tinham que fazer de forma mecânica, usando um ferro aquecido em fogo. Somente em 1950 surgem as substâncias químicas e o primeiro cosmético comercializado nos Estados Unidos é à base de soda cáustica. A novidade chega ao Brasil só final da década. O boom do alisamento aconteceu mesmo nos anos 60. As responsáveis foram as mulheres com cabelos afro e crespos, imbuídas pelo desejo de entrar no padrão de beleza ideal, ou seja, cabelo liso. As influenciadoras da época eram as integrantes da banda The Supremes, como Diana Ross.  Em 1969, no Brasil, a Embelleze atende ao sonho das mulheres com o lançamento do Henê, um produto que alisa e tinge. 1970 – Black power Zendaya Coleman num revival do black power Tempo da expressão máxima da liberdade, a geração paz e amor não quer se prender a padrões e coloca o cabelo natural, por vezes despenteado, na moda. Um exemplo? A icônica Janes Joplin. A versão mais fashion dessa cabeleira vem com a atriz norte-americana Farrah Fawcett, do seriado As Panteras: longo cortado em camadas. Mas o movimento hippie também põe o black power em cena, como usava o grupo Jackson 5. Para cuidar dos longos cabelos (visual adotado tanto por mulheres quanto por homens, que lutavam por igualdade de direitos), só muito creme hidratante, como o Creme Mocotó, lançado pela Embelleze em 1972. Janis Joplin e Farrah Fawcett     1980 – Cacheado ou relaxado  Madonna No início dos 80 o cabelo com volume e encaracolado ainda ditava moda. A cantora Madonna era a perfeita representante do look, que tinha uma certa conotação de rebeldia. Foi quando voltou com força a onda da permanente para cachear as lisas. Por outro lado, sob a influência do culto ao corpo e da estética perfeita comandada pelas academias de ginástica, começam a aparecer técnicas de alisamento dos fios. Produtos menos agressivos, que propunham um relaxamento de ondas, fazem sucesso absurdo. Em 1984, a Embelleze inova com a marca Hairlife, com itens para alisar ou relaxar.   1990 – Liso, colorido, cheio de estilo Naomi Campbell A era das academias traz para os anos 90 uma busca desenfreada pelo padrão de beleza ideal. As supermodelos da época — Cindy Crawford, Claudia Schiffer, Naomi Campbell, Linda Evangelista e Kate Moss —, todas magras, belas e lisas, despertam nas mulheres o desejo de serem iguais. A febre do cabelo chapado toma conta até das famosas, como a apresentadora Fátima Bernardes e a atriz Malu Mader, que se rendem ao famoso alisamento japonês da época. Sem dúvida, uma legião de mulheres reais as seguiu! Porém, a substância tioglicolato de amônio, usada no processo, era muito agressiva para a saúde dos fios, além de deixar um resultado artificial. Para combater os danos, Embelleze inova e traz para o mercado a linha Novex, com cremes de tratamento à base de frutas. E, em 1992, cria o primeiro alisamento brasileiro à base de guanidina, o Amacihair. Ao contrário do tioglicolato, que desestrutura a fibra capilar podendo tanto alisar quanto enrolar os fios, a guanidina alinha a fibra e reduz o volume, proporcionando apenas o seu relaxamento — com um efeito mais natural. Linda Evangelista A década de 1990 ainda é marcada por mulheres que estão em busca de aceitação e, para isso, escolhem passar por transformações que valorizem a beleza e elevem a autoestima. Para alcançar a perfeição, além de modificar a estrutura do cabelo, as mulheres também passam a mudar a cor dos fios. As tinturas não são mais vistas apenas como artifício para cobrir brancos, mas como acessório de moda. A marca Embelleze, sempre com um olhar feminino, aumenta o seu portfólio de cuidados com o cabelo e lança o segmento de coloração com Natucor e Maxton. No final dos anos 90, Embelleze encoraja a mulher em seu processo de renovação, mostrando que é possível ficar ainda melhor, com participações em quadros de transformação de visual, como no Programa da Xuxa e no inesquecível Dia de Princesa, de Netinho de Paula.     1998 – Pura inspiração Curso de Cabeleireiro do Instituto Embelleze Para a Embelleze, a transformação feminina poderia ir além da renovação da própria beleza. Então, em 1998, a empresa cria um modelo educacional de formação de profissionais capacitados na arte de embelezar: o Instituto Embelleze.  Assim, as mulheres também poderiam provocar um processo de transformação na vida dos outros. O projeto deu tão certo que ao longo de sua existência já formou mais de 2 milhões de alunos, é sucesso de franquias com mais de 350 no Brasil e duas no exterior (Equador e Flórida). A criação do Instituto Embelleze para a época foi de extrema importância, especialmente para as mulheres, pois na década de 90 o mercado de trabalho brasileiro passou por reestruturações para se tornar mais moderno e racional e, com isso, o trabalho assalariado perde espaço para atividades terceirizadas. A mulher se encontra num cenário informal e tem na capacitação profissional uma nova chance de se firmar até como autônoma.   2000 – Volume sob controle Jennifer Aniston apostou na progressiva A essa altura a presença da mulher no mercado de trabalho já está consolidada e por causa do ritmo de vida acelerado, a ala feminina procura produtos cada vez mais eficazes e práticos. A praticidade do cabelo liso, sem volume ou rebeldia, impera e, no início de 2000, as mulheres encontram na escova progressiva a novidade que faltava para ter cabelos lisos e brilhantes por mais tempo (a atriz Jennifer Aniston apostou). No entanto, feita com formol, um ativo que causa diversos danos à saúde, a progressiva começou a dar lugar a alisamentos mais light. Em 2002, Embelleze lança Misuke, uma escova progressiva sem formol. No mesmo ano, também inicia a linha Novex (chocolate) baseada em food therapy, ou seja, trabalha com os benefícios dos alimentos para a beleza, um conceito que ganha força nesse período.     2012 – Cabeleireiros em alta   Entre 2008 e 2011 o mercado de beleza cresce consideravelmente no Brasil. O motivo é a boa onda econômica. Com a economia acelerada aumentam os gastos com cabeleireiro e isso explica o boom no número de salões que foram abertos formalmente ou em domicílio. Para atender aos profissionais exigentes é lançada a marca Embelleze Salon, com produtos profissionais de alto desempenho.     2014 – Resgate da beleza natural Zendaya Coleman  Por volta de 2010 começa um movimento de aceitação da beleza natural, sobretudo das mulheres com cabelo afro, que passam a se unir na decisão de parar de alisar os fios. A redescoberta das madeixas encaracoladas acontece com a transição capilar, um período em que a mulher deixa o cabelo natural crescer da raiz até que atinja um bom comprimento para o big chop —  o grande corte que tira toda a ponta lisa. Para ajudar quem decidiu voltar às origens (nem todas as mulheres aderiram, é verdade), a Embelleze lança uma família de produtos para cacheadas: Novex Meus Cachos. Nas passarelas do mundo da moda, a quebra dos padrões de beleza e aceitação da própria natureza também é valorizada. O marco desse movimento é a modelo canadense Chantelle Brown-Young, mais conhecida como Winnie Harlow, portadora de vitiligo, uma doença cutânea. Descoberta no Instagram em 2014 por uma top model, ela participou do programa America’s Next Top Model e já desfilou para grandes grifes, como Dior. Winnie Harlow e Oprah Winfrey: beleza natural     2019 – Mulheres influenciadoras  Mulheres reais e influenciadoras de beleza: Nanda Chaves, Andressa Ganacin e Ju Romano Em 50 anos de existência, a Embelleze nunca deixou de estudar o mercado para entender o que as mulheres querem e precisam para ficarem mais bonitas e se sentirem mais felizes. A valorização da diversidade da beleza da brasileira por seus produtos é à prova do tempo!
> Leia mais
Design de sobrancelhas: conheça a história
Assim como em todos os outros quesitos de beleza, as sobrancelhas também seguem um padrão da moda, que como sabemos, pode mudar a qualquer hora – reciclando fashionismos do passado e trazendo novas tendências. O universo das sobrancelhas já passou por muitas mudanças no que diz respeito ao que foi e é considerado bonito. Confira mais sobre a história do design de sobrancelhas! Anos 1920 – Sobrancelhas finas, arqueadas e longas Nos anos 20 a agitada vida cultural incluía passeios ao teatro e exposições que exigiam grandes produções para quem frequentava esses espaços. Na época, marcada por muita classe e charme, a moda eram as sobrancelhas super finas, longas e arqueadas, que garantiam um look afeminado, delicado e ao mesmo tempo cheio de expressão - tudo pensado para combinar com as makes marcantes da época. Anos 1940 – Sobrancelhas super arqueadas Em 1940 o design das sobrancelhas engrossa ligeiramente, tornando-as o ponto de atenção da maquiagem. Os pelos iniciam mais cheios e vão afinando na parte final das sobrancelhas que seguem super arqueadas, levantando o olhar e carregando a expressão. Neste período, as maquiagens tornam-se mais básicas. Anos 1950 – Sobrancelhas mais grossas e arqueadas Nos anos 50 vemos as sobrancelhas engrossarem mais um pouco, seguindo arqueadas e mais pontudas, como um acento circunflexo. A atriz Audrey Hepburn ostentava as sobrancelhas símbolo da moda neste período, assim como Marilyn Monroe. As duas utilizavam lápis na região para corrigir as falhas e garantir o look perfeito, cada uma com a cor que se aproximava mais do tom de suas madeixas. Anos 1960 – Sobrancelhas finas Nos anos 60 a moda volta um pouco no tempo e as sobrancelhas finas ressurgem. O look olhos tudo e boca nada fica super em alta, contando com a aplicação de cílios postiços na parte de cima e inferior dos olhos. Nesta época as sobrancelhas deixam de ser totalmente pontudas e ganham um ar mais arredondado, trazendo um pouco mais de naturalidade para a expressão. Anos 1970 – Sobrancelhas finas e arredondadas As sobrancelhas finas seguem em alta, mas vão ganhando cada vez mais naturalidade. Primeiro, com o formato mais arredondado e depois sem serem tão alongadas assim. Nas makes, as sobrancelhas perdem o destaque e já não são mais fortemente preenchidas, as falhas são exibidas sem problemas. Anos 1980 – Sobrancelhas naturais A partir de 1980 as sobrancelhas conquistam seu espaço e estampam rostos da forma como vieram ao mundo: o mais natural possível! Na época, a aposta era não retirar nem mesmo aqueles pelos que nasciam entre as sobrancelhas ou fora de seu desenho. A proposta não era mantê-las penteadas, e sim bem bagunçadas e em seu tom natural – inclusive para quem tinha cabelos tingidos. Ícones como Madonna apostaram fortemente no look! Anos 1990 – Sobrancelhas sem preenchimento Nos adorados anos 90 Kate Moss e Angelina Jolie quebram o movimento das sobrancelhas naturais e trazem à tona o foco nos lábios. Com o look boca tudo e olhos nada, as sobrancelhas voltam a ser fininhas e sem preenchimento, apenas servindo para dar delicadeza e suavidade ao contorno do rosto. Anos 2000 – Sobrancelhas arqueadas, finas e delicadas Os anos 2000 foram marcados pela make clean, ou seja, aquela maquiagem para parecer que não está maquiada! Gloss, máscara de cílios incolor e um pouquinho de blush para dar aquele ar de saúde - essa era a tendência. Acompanhando a moda, as sobrancelhas seguiam finas e delicadas, mas dessa vez mais marcantes e arqueadas Anos 2010 – Preenchimento com Henna e harmonização das sobrancelhas A época das sobrancelhas super bem feitas e valorizadas, sem nenhum pelinho para fora do desenho! Essa era a moda em 2010. As sobrancelhas ganharam muito destaque e os cursos e técnicas para o design de sobrancelhas começaram a surgir, afinal, os procedimentos passaram a ser cada vez mais requisitados. E, para poder oferecer o desenho perfeito, preenchimento com henna e harmonização das sobrancelhas com a face, passou a ser essencial se profissionalizar. Hoje – Sobrancelhas cheias e naturais Hoje em dia as sobrancelhas ainda carregam muita importância no visual. Mulheres e homens passaram a ter o costume de arrumá-las, mas isso já não é mais sinônimo de mantê-las 100% aparadas. O trend atual são as sobrancelhas wild - super cheias e com aquele ar de natural, com os fios penteados para cima e as vezes bem bagunçadinhas. Novas técnicas continuam surgindo para garantir o look do momento. A gente aposta que você não sabia quanta história tinha por trás delas, não é mesmo? Mas desde sempre, o que importa de verdade é se sentir bem com sua aparência independente de seguir as tendências ou não. O bom Designer de Sobrancelhas consegue adaptar os pelos e formato do rosto, mantendo as proporções para trazer um resultado incrível! Quer aprender com quem mais conhece do assunto? Vem saber tudo sobre o nosso curso de Designer de Sobrancelhas e se matricule para se tornar um profissional completo.
> Leia mais
Copyright © 2020 · Todos Direitos Reservados