Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Experts

Alongamento de unhas: Tudo o que você precisa saber

Confira as técnicas e procedimentos mais utilizados, indicação e cuidados que devem ser tomados para realizar um alongamento.

A demanda pelos procedimentos de alongamento de unhas tem crescido diariamente - afinal, quem não quer ter unhas lindas, saudáveis e que duram por mais tempo?

Mas, o procedimento conta com técnicas e acabamentos super diferentes que podem confundir na hora de encontrar o serviço ideal para você ou sua cliente. Além disso, se aplicado ou retirado de forma errada, o alongamento pode causar sérios danos às unhas naturais. Por isso, é importante sempre conhecer a técnica escolhida a fundo e usar os procedimentos corretos na hora de aplicar e retirar as extensões. 

Quer saber mais sobre o alongamento? Vem conferir com a gente.

O que é

A prática de alongar as unhas é realizada desde a antiguidade. Civilizações da antiga China e do Egito utilizavam cascas de pistache ou de frutas secas, ouro, ossos e marfim para realizar o alongamento das unhas, que era visto como símbolo de status e nobreza.

Hoje em dia, o procedimento é procurado para qualquer pessoa que queira aumentar o tamanho das unhas, mas é indicado apenas para quem mantém as unhas naturais saudáveis.

Como já dissemos no início, existem várias formas de se fazer um alongamento, mas, em geral, todas as técnicas consistem na aplicação de materiais sobre a unha natural que formam uma outra camada, mais grossa e mais longa. Essa nova camada possibilita que as unhas sejam pintadas de qualquer cor e mantêm uma maior durabilidade da esmaltação, além disso, elas também quebram menos do que as unhas naturais, por serem mais grossas e feitas de material resistente.

Diferentes tipos

A moda das unhas postiças grudadas com cola passou e, no lugar dela e em conjunto com novas tecnologias, surgiram as técnicas de alongamento feitas para durar. São várias técnicas disponíveis no mercado, hoje falamos sobre as 3 mais utilizadas no Brasil:

Unhas de Gel

O alongamento de unhas em gel é feito à base de um gel fino e transparente que é colocado em cima das unhas naturais, formando uma camada mais grossa e comprida. O gel pode ser modelado da forma e tamanho que o cliente preferir, seguindo a anatomia das unhas naturais. Esse procedimento é um dos mais indicados para quem tem o costume de roer as unhas.

A durabilidade das unhas de gel varia entre 15 a 20 dias, dependendo da conservação e qualidade dos materiais utilizados. Após esse período, é necessário retirar as extensões e realizar a manutenção. Uma câmara com lâmpadas de LED é utilizada para a secagem do procedimento e a esmaltação pode ser feita em gel ou com esmalte comum.

 

Unhas Acrílicas - Popularmente conhecida como Unhas de Porcelana 

Apesar do nome, as unhas de porcelana são feitas da mistura de um pó acrílico com um líquido chamado monômero*. O formato é esculpido cuidadosamente para que as extensões se encaixem perfeitamente nas unhas naturais, deixando um acabamento super natural.

O aspecto final é de brilho e grande durabilidade, por isso, as unhas feitas com pó de acrílico foram apelidadas de 'unhas de porcelana'.

As unhas podem ser utilizadas durante o período de até 3 meses, com manutenções quinzenais. É recomendada a aplicação de um esmalte top coat para que não amarelem. Também pode ser utilizado a esmaltação tradicional, a esmaltação em gel, além dos pós acrílicos já coloridos que não necessitam de esmaltação.

*Há dois tipos de monômeros no mercado, o EMA e o MMA.
O EMA (ethil metacrilato) é o monômero indicado para os procedimentos de alongamento de unhas, é permitido pela ANVISA, porém, não é produzido no Brasil, portanto só há produtos importados com esse tipo de monômero, que tem sim um valor mais elevado em relação ao MMA.

Banho de Gel

O banho de gel ou “banho de verniz”, é uma prática que consiste em uma cobertura das superfícies com materiais como gel ou acrílico. Esse procedimento favorece o crescimento natural das unhas, evita quebras e ainda permite que o esmalte dure por muito mais tempo.

Ele é uma alternativa estética para proteger as unhas naturais e deixar com aquela aparência saudável, além disso não é um alongamento, serve apenas como uma cobertura das unhas, que não envolve colas, o que se torna positivo para saúde das unhas

- Essas técnicas são encontradas no nosso material didático –

Riscos

As unhas naturais são formadas por camadas de queratina – uma proteína responsável por formar estruturas no corpo humano. Quando o alongamento é feito é possível que essa queratina sofra alguns efeitos colaterais por estar em contato direto com produtos químicos e sem contato com o ar. Por isso é tão importante investir na qualificação profissional para esse tipo de serviço.

Alguns dos efeitos que podem ser observados após a retirada dos alongamentos são unhas naturais mais finas, esbranquiçadas ou mais quebradiças que o normal. Todos esses sinais devem voltar ao normal após algum tempo sem as extensões.

Entretanto, também podem acontecer problemas mais sérios, como a dermatite de contato – uma inflamação na pele quando em contato com produtos químicos. Ou até a proliferação de fungos e bactérias nas unhas, por isso, mais uma vez, o cuidado com a aplicação deve ser redobrado e o procedimento deve ser aplicado por profissionais qualificados. Em casos de maiores danos as unhas ou pele dos dedos, é necessário procurar por um médico dermatologista.

Deve haver um preparo da lâmina da unha natural para receber o alongamento de unhas sem que haja prejuízos a saúde das unhas. As unhas devem ser limpas, lixadas e preparadas com produtos que impedirão a descamação e proliferação de fungos e bactérias nas unhas naturais que estiverem com alongamento.  A preparação das unhas e a manutenção no tempo correto é o necessário para que não haja danos na estrutura da unha natural.

Mesmo com os possíveis riscos, as técnicas de alongamento disponíveis hoje em dia são super seguras quando aplicadas e retiradas por profissionais qualificados, além de terem um ótimo custo-benefício. Ficou ansiosa para oferecer estes procedimentos as suas clientes? Vem se tornar uma profissional especialista em alongamento de unhas com o nosso curso e conheça a unidade mais próxima de você!

Tags

Unhas

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

5 atitudes da mulher empreendedora
A natureza das mulheres, em geral, é otimista, guerreira e perseverante. Porém, profissionalmente, quando o negócio depende de outros fatores, ainda há alguns pontos em que a mulher empreendedora pode esbarrar (e se enroscar, mas nada que ela não resolva!). Um deles é a conquista do capital inicial, em muitos casos, fundamental para a o início do negócio. “Hoje a mulher tem menos acesso a linhas de crédito. Isso é um fato. A boa notícia é que está surgindo um pequeno movimento de mudança nesse sentido. Começam a nascer linhas de crédito especialmente para mulheres! O problema é que é um processo de mercado que está engatinhando, muito tímido ainda”, esclarece Marcela Quiroga, fundadora do canal Mulheres nas Vendas e diretora de expansão da Rede Mulher Empreendedora, de São Paulo, que tem em sua base 500 mil mulheres que contam com apoio e incentivo no que tange conteúdo, capacitação e consultoria de negócios. Ousadia X Cautela Comparada ao homem, a mulher é menos ousada, arrisca menos. Ela faz as coisas acontecerem de forma mais lenta. O homem é menos ponderado: ele vai lá e coloca seu projeto no mercado de uma vez. E se tiver rejeição, já muda tudo e parte pra outra. Isso mostra que, por um lado, o homem é ousado, mas por outro, inconsequente. Mas o fato é que, ao se arriscar, ele aumenta as chances de o negócio dar certo, uma vez que o “não” para o sucesso ele já tem! A mulher empreendedora é cautelosa e quando se sente segura é do tipo que vai lá e faz! Não vê barreiras e quase nada pode brecar seu sonho de um negócio próprio. A mola propulsora que está por trás desse desejo é muita vontade de por a mão na massa e ver a coisa se concretizar através da satisfação dos clientes. Pronto, tá feito o ciclo de sucesso. Uma rede do bem Quando a mulher empreendedora vê o seu negócio ir pra frente ela gera riqueza para o entorno, não só para a sua família. Se ela abre uma esmalteria, por exemplo, e começa a crescer, ela já traz outra manicure, uma assistente e, assim, sucessivamente, à medida que o serviço aumenta. Ela impacta a própria família e a família das suas parceiras com boas condições de trabalho e, por consequência, uma melhor qualidade de vida. Outra vantagem da mulher é a flexibilidade de horário.  Ela consegue se desdobrar em dez, acompanhar processos cruciais do negócio, fazer tudo o que é necessário no trabalho, gerenciar, por a mão na massa... Sem deixar de ir à reunião do filho na escola ou cuidar do outro filho que está doente. Em poucas palavras: ela não deixa a peteca cair, em casa e nem na empresa. 5 atitudes da mulher empreendedora Ficou animada para abrir o próprio negócio? A seguir, listamos as cinco atitudes de sucesso da mulher empreendedora. Confira e vá longe! 1 Ter uma solução para o cliente Todo mundo tem algum tipo de necessidade. Portanto, pense o seguinte: “o meu papel no mercado é oferecer a solução para uma determinada carência”. Porque se não for a solução, não existe negócio, ok? A ideia é identificar sua habilidade, olhar o que você sabe fazer e se jogar. E ter uma clara certeza em relação ao que você irá oferecer: trazer o quê e para quem? A chave é identificar potenciais clientes que precisem do seu produto. É um caminho de formiguinha, porque nada cai do céu. Saiba que isso vai levar tempo, mas nem pensar em desanimar! Afinal, você é uma mulher empreendedora. 2 Não viver de suposições Uma vez identificada uma necessidade no mercado, é necessário validá-la e não ficar adivinhando como seria essa dinâmica na vida real. Ouvir potenciais clientes (pessoas que têm o perfil consumidor de seu produto ou serviço), ir para a rua, pesquisar, testar, confirmar nichos, falar com pessoas para saber o que elas esperam, como esperam etc. “Inicialmente, dá até para supor algumas coisas e, a partir daí, fazer a pesquisa. Mas é preciso ir para a rua e validar isso. Sentir a necessidade de perto e confirmá-la. Embora essa validação não elimine um possível erro, ela é superimportante, porque certamente leva a mulher empreendedora a errar menos, dá um direcionamento mais assertivo”, pontua Marcela Quiroga. O mote é: cada vez mais se conectar mais com as pessoas e procurar saber o que elas pensam. 3 Ser cautelosa, sim, mas inerte jamais! Falando da posição da mulher, vimos que ainda há uma barreira quando o assunto é conseguir linhas de crédito, por exemplo. No entanto, a mulher empreendedora precisa dar algum jeito. Ela não pode esperar demais para ter o recurso para só então começar o negócio. É preciso se arriscar nem que for o mínimo possível, desde que com bom senso e responsabilidade, claro. Mas parada não dá para ficar. A saída é conseguir, de alguma forma, um capital inicial e ter extremo cuidado com o fluxo de caixa (para não perder o controle dos gastos). O primeiro passo, já que os bancos não parecem tão amigáveis com a mulher empreendedora, é fazer um empréstimo com algum familiar ou pessoa próxima e, assim, dar o start no negócio. 4 Não confundir amizade com sociedade É fundamental muito cuidado na hora de escolher os sócios. Muitas amizades são desfeitas por uma sociedade mal estruturada. É bom pensar que o parceiro ideal não é, necessariamente, aquele que tem o melhor perfil complementar ao seu. Também não ser aquele grande amigo, considerando a afinidade e cumplicidade que existe entre vocês. Essa escolha é uma das mais complicadas quando se pensa em sociedade. São muitas coisas envolvidas, às vezes falta dinheiro, existem riscos, os desejos e as ousadias de cada um têm graus diferentes, assim como a ganância, que tem relação direta com o preço final do produto ou serviço. Portanto, os pensamentos e a postura de cada um dos sócios devem estar muito bem alinhados. Um amigo na hora de uma decisão delicada pode até atrapalhar por ter um ponto de vista diferente do seu. Aí, tenha certeza, o resultado é perder o amigo. Ou, por tudo a perder na empresa. 5 Investir em capacitação constante A última e não menos importante atitude da mulher empreendedora é investir em educação profissionalizante. Ser dona de um salão de beleza ou uma barbearia bombando não é sinal de que a batalha está vencida e não há mais nada a aprender. Sempre há! Se dedicar a obter mais conhecimento e técnica, por meio de cursos e treinamentos, não é gasto e, sim, investimento! Nenhum sucesso é suficiente para a equipe se dar ao luxo de parar de aprender. “Os conhecimentos técnicos inovadores do negócio, que abrangem a atividade em si oferecida no dia a dia ao cliente, como os cuidados com o barbear perfeito ou como tratar as unhas antes esmaltar, são essenciais. Mas dominar a parte administrativa, acompanhar tendências, analisar a concorrência e entender como está a exigência do consumidor, são de extrema importância para garantir que o seu negócio tenha um diferencial em relação aos demais”, explica Marcela Quiroga. São detalhes fundamentais, do tipo: como você pode ter mais eficácia na sua gestão de tempo, como encantar e fidelizar clientes etc. A mulher empreendedora ter que ter em mente que esse é um universo com uma fonte inesgotável de conhecimento e estratégias, que requer constante atualização por meio de cursos e treinamentos. “Os salões de beleza são, por natureza, um tipo de serviço que tem diversas oportunidades de entender a dinâmica dos clientes e descobrir suas necessidades. A relação é direta. Dá para fazer promoções, entregar produtos e tecnologias novas, capacitar profissionais. Ainda mais nessa área, em que a concorrência é altíssima. Então, vale ressaltar que nesse tipo de comércio, assim como nas barbearias, espaços de depilação e esmalterias, existe um trunfo que é o contato direto com o cliente, onde é possível trabalhar constantemente a confiança e o relacionamento”, destaca a especialista em empreendedorismo. E a partir daí trabalhar a capacitação dos profissionais. “A matemática é simples: vale a pena perder um cliente por 60 reais de diferença em um serviço que o salão ao lado está entregando, com um preço mais em conta, ou é mais produtivo manter o valor mais alto e deixar de fidelizar esse cliente?”, questiona Marcela. A resposta? A mulher empreendedora tira de letra.   Inspire-se em histórias de empreendedorismo de sucesso de ex-alunos dos cursos do Instituto Embelleze. Depois de aprenderem uma profissão na área de beleza e de acreditarem em seus potenciais, eles entraram para o mercado e, hoje, são donos dos próprios negócios.  
> Leia mais
DEPILAÇÃO PROFISSIONAL
A depilação profissional não para de crescer. De acordo com pesquisas recentes, 93,1% das mulheres brasileiras fazem depilação. Dessas, 46,9% realizam o procedimento todo mês e 43,6% depilam duas ou mais vezes ao mês (*). Como resultado, no Brasil, o serviço de depilação foi um dos que mais cresceu no setor da beleza. Prova disso é a expansão de salões especializados nesse serviço e o aumento da procura por cursos profissionalizantes. O hábito de se depilar é antigo, já existia no Egito, na Grécia Antiga, na cultura dos índios xavantes, entre outros povos. De lá pra cá, muita coisa mudou, mas você precisa saber que a depilação não se resume às técnicas com cera quente ou fria. As mudanças e inovações no setor da estética têm exigido profissionais mais treinados e atualizados. Para se destacar, é preciso estar antenado às tendências. Para Bruna Peresin, do Instituto Embelleze, vale destacar que as profissionais agora trabalham com as técnicas de depilação com linha egípcia e oferecem serviços diferenciados, como: tratamento de foliculite, clareamento de pelos, clareamento de manchas em áreas depiladas, esfoliação, depilação masculina, depilação esportiva, entre outras oportunidades. “É uma das melhores áreas para investir. Para ter um bom faturamento, o profissional de depilação deve garantir a qualidade do serviço oferecido ao cliente, conhecer as técnicas e os produtos disponíveis no mercado, atuar com biossegurança e ética profissional”, diz, lembrando que um curso completo de depilação abrange não apenas a prática, mas também o estudo de fisioanatomia da pele e dos pelos, noções de dermatologia, biossegurança, cosmetologia, etc. O profissional formado em depilação pode atuar em salões de beleza, clínicas de estética, em domicílio ou montar o próprio negócio. *Estudo universitário publicado: “Hábitos e costumes de mulheres universitárias quanto ao uso de roupas íntimas, adornos genitais, depilação e práticas sexuais”.
> Leia mais
Copyright © 2020 · Todos Direitos Reservados