Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Eu, Profissional

Jonathan (à esquerda) e o sócio/ Foto: Divulgação.

Jonathan Politori
Barbeiro

"Eu atuava numa empresa de segurança do trabalho, de segunda a sexta, oito horas por dia, e não era feliz". Essa declaração de Jonathan, da cidade de Americana (SP), é a mesma de muitos brasileiros que, para se sustentar, acabam aceitando, muitas vezes, trabalhar até em uma área sem afinidade. Mas a acomodação e o conformismo nunca fizeram parte da personalidade do jovem, que ia para o batente sempre pensando em encontrar uma outra oportunidade. "Eu desejava ter uma profissão e um emprego que me fizessem feliz." E foi aí, na busca pelo sonho, que Jonathan, aos 19 anos, decidiu ingressar no Curso de Barbeiro do Instituto Embelleze. Durante o curso, ele não faltava a nenhuma aula e recebia elogios dos professores pelo bom desempenho — e isso o motivava ainda mais a seguir em frente.

"Nunca imaginei que ia ser barbeiro. Depois de concluir o curso e começar a trabalhar numa barbearia, percebi que eu gostava mesmo é de fazer barba, cabelo e bigode", diz Jonathan. 

aluno do curso de barbearia do Instituto Embelleze

Jonathan Politori colocando o seu talento em prática

Recompensa pela dedicação

Jonathan trabalhou durante 3 anos nesta barbearia, o que foi essencial para ele aperfeiçoar todo o conteúdo aprendido. Esse trabalho não deu a Jonathan apenas o prazer de atuar numa profissão de que ele gosta. A empreitada também aumentou a sua renda mensal, ou como ele mesmo diz: "triplicou o salário". Com isso, ele conseguiu comprar um carro e um apartamento.

O começo é difícil, segundo Jonathan, como para tudo na vida. Mas com a experiência adquirida diariamente você engrena na área. "Eu trabalho bastante, atendo muitos clientes por dia, mas no final do mês é recompensador."

Sucesso e prosperidade

Com o tempo, a paixão pela nova profissão só aumentou e Jonathan resolveu sair do primeiro emprego como barbeiro para dar um salto mais alto e definitivo em sua carreira: montar a própria barbearia! “Iniciei o negócio juntamente com minha mãe e meu padrasto. Mas depois de um ano propus comprar a parte deles para dar a minha identidade ao lugar. Hoje, eu e um sócio, que também é barbeiro, estamos tocando sozinhos a Jac’s Barber Shop”, conta o rapaz que é casado e tem um filhinho de 4 meses.

Segundo ele, a Jac’s foi inspirada nas barbearias do passado. As referências de estilo que ele curte são a Schorem, na Holanda, e Fígaros, em Portugal. “Quero que a minha barbearia promova uma experiência única aos clientes, como se eles tivessem viajado no tempo e parado numa barbearia dos anos 70”.

Além do atendimento de qualidade e cheio de mimos para a clientela, Jonathan acha que a decoração do ambiente também influencia muito para a fidelização, por isso está investindo pesado nisso.

barbearia holandesa SchoremBarbearia Schorem, na Holanda

Planos para o futuro

Embora Jonathan ainda tenha que percorrer um caminho para solidificar o seu negócio, ele já pensa nos próximos passos, como por exemplo criar uma marca própria de produtos para barba e cabelo.

"O meu conselho para quem quer ter uma profissão e se dar bem é não deixar de acreditar na sua capacidade. Diga para você mesmo: eu quero, eu vou correr atrás, eu vou conseguir. Posso dizer que, hoje, eu sou um cara vencedor!"

Inspire-se na história de sucesso de Jonathan, que ganhou independência e hoje trabalha com o que realmente gosta. Procure um dos cursos do Instituto Embelleze e transforme o seu sonho em realidade! Escolha entre diversas opções, todas com apostilas gratuitas e os melhores instrutores do mercado, e não adie mais a transformação da sua vida. Matricule-se já!

Tags

curso de barbeiro, Instituto Embelleze, história de sucesso, barbeiro profissional

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

GILVAN APARECIDO MARIANO FILHO
Gilvan tem apenas 21 anos, mas muita história pra contar. Nascido em Passos, Minas Gerais, sempre foi um menino ativo, que sonhava em ser jogador de futebol, como muitos outros garotos de sua idade. Incentivado pelo pai, Gilvan seguiu em frente com o seu desejo e largou tudo para trás, inclusive os estudos, para correr atrás desse ideal de futuro. Foi para a cidade de Rio Claro (SP) e depois Goiânia (GO), morar em alojamento, para jogar futebol e, quem sabe, ter a sorte de se destacar. Ele e a equipe levavam tão a sério o trabalho que tinham até um combinado: ao vencerem três jogos consecutivos, eles comemorariam com uma mudança no cabelo! Bingo, chegou o grande dia, porém ninguém tinha coragem de cumprir o trato. “Um dos meninos tinha uma máquina de corte e, sem pestanejar, eu disse que poderia fazer a transformação. Sem titubear, passei a máquina no cabelo e tosei um só lado da cabeça...”, descreve Gilvan. Ali, sem saber, Gilvan teve o primeiro contato com a profissão de barbeiro, o que seria sua real vocação. Fim de um sonho Brincadeiras de menino à parte, Gilvan começou a ver quão dura era a trajetória para se tornar um jogador profissional. Demandava dinheiro para patrocínio, investimento na carreira, e isso acabou virando um pesadelo, já que a sua família não tinha condições financeiras para tanto. Desiludido, Gilvan volta para casa e para os estudos. Aos 17 anos, triste, passa a trabalhar na pastelaria da mãe, enquanto conclui o Ensino Médio. Como sempre foi focado em futebol, Gilvan se vê sem perspectiva de futuro, sem se imaginar em outra profissão. “Achei que a minha vida tinha acabado ali, foi horrível”, diz ele. Sempre apoiado pela família, no entanto, seu pai sugeriu que ele se matriculasse num curso de cabeleireiro, usando a experiência que teve com a máquina de corte como justificativa para a ideia. Sério? Sim, o pai de Gilvan falava muito sério! Mas o jovem teve dúvida e demorou para procurar uma escola até que um dia lhe indicaram o curso do Instituto Embelleze. Vida nova “Como eu demorei muito para ir em frente, meu pai estava desacreditado de mim. Mas mesmo sem botar muita fé, ele pagou minha matrícula e comecei a fazer o curso de barbeiro no Instituto Embelleze em setembro de 2016”, conta Gilvan. Assim que entrou no dia a dia do processo de capacitação, Gilvan já ficou encantado com a profissão de barbeiro. Ele confessa que, a princípio, não era o melhor aluno da classe, mas era muito dedicado e esforçado. Seu instrutor, Luiz Miguel, tinha uma barbearia na cidade e Gilvan sempre ia até lá ficar observando como ele cortava cabelo e barba, como lidava com os clientes... Seu objetivo era ser um excelente barbeiro. Gilvan expressava para Luiz Miguel a vontade de trabalhar com ele, mas o instrutor não o levava muito a sério. Uma vez, durante o curso, aconteceu algo que virou o jogo positivamente para o lado do Gilvan. Ele e um aluno fizeram o mesmo corte de cabelo, porém, somente o colega recebeu elogios de Luiz Miguel. “Nesse dia fui pra casa pensativo, tentando entender o que o amigo tinha feito melhor que eu para receber os parabéns. Eu revi as técnicas, estudei muito e, na semana seguinte, fiz um corte de cabelo que foi elogiado. O meu instrutor até me usou como exemplo para a classe por ser um aluno dedicado, interessado, que estudava muito. E eu expliquei perante a todos o ocorrido e como eu havia me superado naquele corte. Por causa da minha atitude o meu instrutor me disse assim: ‘Gilvan, passa lá minha barbearia e pega o seu uniforme, você vai trabalhar comigo como estagiário!’. Aquilo foi maravilhoso”, comenta Gilvan. A dedicação superou o talento Já dá para imaginar a força com que Gilvan agarrou essa oportunidade na barbearia! “Com esse episódio descobri que, às vezes, a força de vontade e a dedicação de um aluno pode superar o talento. E foi o que aconteceu comigo”, garante o rapaz. Em fevereiro de 2017 Gilvan se formou como barbeiro profissional e, a partir daí, sua carreira deslanchou: começou a trabalhar num esquema de parceria em uma barbearia famosa em Passos e, desde o mês de agosto de 2018, atua como instrutor do curso de barbearia do Instituto Embelleze. O desejo de crescer e ser um dos melhores barbeiros do mercado levou Gilvan a se inscrever no World Barber Championship, um campeonato mundial de barbeiro do qual participam dez países, entre eles o Brasil, e que seleciona o número 1 do mundo. “Eu via a propaganda desse concurso na TV e meus olhos brilhavam, até que pedi ajuda ao franqueado do Instituto Embelleze Passos, Anderson Francisco, com a inscrição e fui em frente”, lembra Gilvan. Top 5 No dia de se apresentar no concurso, Gilvan usou o seu lado observador e começou a analisar os concorrentes. “Fiquei esperto avaliando como eles explicavam o trabalho, como se comportavam, o que faziam. Então, na hora de eu me apresentar, eu tentei superá-los. Peguei meu modelo, coloquei luvas na hora de manusear a navalha (fui o único com esse diferencial), expliquei os procedimentos que apliquei utilizando termos técnicos e dei meu show! Na hora, aproveitei muito da minha experiência como educador e fui bem didático”, conta Gilvan. Apesar de não ter sido o primeiro colocado — teve a felicidade de terminar em 5º lugar —, Gilvan se sentiu no pódio. “No final do concurso um dos jurados veio falar comigo, dizer que eu estava no caminho certo e que eu tinha futuro”, comemora. “Sei que sou um cara novo, mas eu uso esse fato como combustível para mostrar que eu domino o assunto. Faço isso especialmente em sala de aula para pegar a confiança dos alunos. Quando conto a minha história para o pessoal, sei que surpreendo e inspiro muita gente”, declara Gilvan. Voltar a sonhar Embora Gilvan esteja feliz com a parceria na barbearia onde trabalha, ele pretende ter o negócio próprio no futuro. No momento, quer continuar tendo a liberdade de atuar como barbeiro e educador e ainda pretende fazer mais cursos e viajar para aumentar a bagagem profissional. “A profissão de barbeiro mudou completamente a minha condição financeira. Antes, eu ganhava um salário mínimo — e olhe lá! Hoje, eu faço o meu salário, sou comissionado e ganho à medida da clientela que atendo. Então, eu sei que todo mês recebo uma certa quantidade de dinheiro, que pode dobrar ou triplicar conforme o número de horas trabalhadas. No Instituto Embelleze também tenho um salário como educador.” Para Gilvan, um dos maiores valores conquistados com a profissão de barbeiro foi resgatar a vontade de sonhar. “A barbearia me fez acreditar na possibilidade de sonhar de novo. Sou muito grato por ter essa profissão, sou muito feliz mesmo e não me vejo fazendo mais nada além disso!”, finaliza Gilvan.   DE GILVAN PARA VOCÊ Dicas do expert para iniciar na profissão de barbeiro e ser bem-sucedido: Não procure a barbearia porque está na moda ou somente por dinheiro. Identificar-se com a profissão ou ter amor por ela é fundamental, porque assim ela será capaz de transformar a sua vida. Não seja só mais um, crie um diferencial. E não é apenas um diferencial no seu estabelecimento, mas também no seu atendimento, no cuidado que você tem com o seu cliente. É claro que ter um lugar bonito, com cadeiras confortáveis, com atrativos além do corte de cabelo, agrega valor, porém proponha mais que um serviço para o seu cliente, dê a ele uma experiência. Sinta emoção com o seu trabalho e demonstre que você se importa com a sua clientela — o retorno financeiro e o sucesso são consequência.  
> Leia mais
Willy da Silva dos Santos
Ele sempre teve aptidão para trabalhos manuais. Além de usar as habilidades na cozinha, como auxiliar num restaurante da cidade Águas Lindas de Goiás (GO), Willy da Silva dos Santos, 20 anos, também gostava de “brincar” de massagista quando estava entre amigos e a família. O pontapé para que ele transformasse a brincadeira em profissão foi obra do destino... No restaurante, em 2017, de auxiliar de saladeira e de cozinha, Willy foi passado para uma função administrativa, o que fez ele se desencantar pelo emprego em final de 2018. “Meu negócio era a execução dos pratos, mexer com alimentos. Percebendo que eu não ia mais voltar para a parte culinária, resolvi pedir demissão e procurar outra coisa com a qual eu me identificasse”, diz Willy. Foi aí que, em final de 2018, começou a pesquisar cursos que tivessem a ver com ele, enquanto fazia trabalhos temporários em eventos aos fins de semana. Finalmente, em junho de 2019, Willy se matriculou no curso de massagem relaxante do Instituto Embelleze e, o que era uma brincadeira, acabou se tornando sua grande paixão. “Durante o curso, aprendi sobre músculos, pontos de tensão e outras estruturas que são tão importantes quanto o amassamento em si”, entrega Willy. Um novo horizonte O curso de massagem relaxante do Instituto Embelleze é focado na prática. O aluno aprende com profundidade as técnicas e os efeitos da massagem relaxante, bem como conteúdos exclusivos sobre a história da profissão, a conduta que o profissional de massagem deverá ter com potenciais clientes e como divulgar o trabalho. A preparação de Willy foi tão rápida que já na terceira semana de aulas ele começou a atuar como massagista. As amigas e vizinhas iam à casa dele para serem atendidas, agora, com profissionalismo. “Além de dominar as técnicas, aprendi que o massagista também precisa ter uma energia boa para transmitir aos clientes. Isso faz toda a diferença no bem-estar do cliente e na qualidade da massagem”, garante Willy.     Futuro reservado O trabalho com massagem está ajudando muito Willy na parte financeira. Ele se dedica exclusivamente à profissão fazendo atendimento em domicílio. Sua renda mensal é suficiente para ele se manter confortavelmente e ainda pensar em novos cursos. “Minha afinidade com a área da beleza é tão grande que já comecei a fazer um curso de cabeleireiro no Instituto Embelleze. Assim que terminar, quero engatar o curso de gestão em salão de beleza para poder abrir o meu próprio negócio. Pretendo abrir um espaço, futuramente, com um pouco de tudo: massagem, cabelo, unhas...”, afirma Willy. A dica dele para quem quer ter independência financeira é: “Foque aonde você quer chegar e em como você quer que as pessoas te vejam no futuro. Mantenha viva a vontade que você tem de dar certo e você chegará em qualquer lugar!”. Massagem x Massoterapia Há uma certa confusão entre esses dois termos, porém, a diferença é clara. A principal está na formação dos profissionais. O massoterapeuta é habilitado tecnicamente para executar vários tipos de massagem orientais e ocidentais, como quiropraxia, tui-ná, massagem laboral e massagem modeladora. Já o massagista é um profissional que se especializou em uma técnica específica de massagem, como a relaxante. Ele pode dominar ainda técnicas de drenagem linfática.
> Leia mais
Copyright © 2019 · Todos Direitos Reservados